Os desafios de uma construção são inúmeros. Há, por exemplo, o gerenciamento de equipes, os cuidados com orçamento e, claro, o cumprimento de prazos. Por ter várias etapas, é essencial pensar na compatibilização de projetos, tema deste artigo. Com ela, é possível fazer a checagem dos estágios da obra e ter certeza que eles vão funcionar juntos. Veja os detalhes a seguir!

Compatibilização de projetos: entenda a importância

Falar em compatibilização é pensar em harmonia. Se uma edificação conta com equipes diferentes e diversos estágios até a entrega, é fundamental que eles funcionem juntos. Imagine só o problema que seria se a parte elétrica e a hidráulica se chocassem na hora de colocar a mão na massa. Essa conformidade tem inúmeras vantagens, que você verá ao longo deste artigo.

A melhor forma de fazer o projeto ser compatível é investindo na metodologia BIM. Ela é um método muito eficiente para alcançar esse objetivo, uma vez que há uma valorização do trabalho colaborativo. O resultado é que os times trocam informações e têm acesso a todas as fases da obra, diminuindo interferências que atrasariam a construção.

Etapas da compatibilização

Para ser bem-sucedida, a compatibilização precisa seguir um passo a passo. Acompanhe a ordem dos processos:

  • organização do modelo BIM;
  • análise das compatibilidades e conflitos;
  • produção de relatórios;
  • verificação dos comentários gerais;
  • revisão do projeto;
  • reuniões.

Conheça as vantagens de utilizar a compatibilização de projetos

Agora que você já conhece a importância de ter os projetos em sintonia, é hora de falar das vantagens de adotar o método. A seguir, uma lista com 5 benefícios!

1. Produção de projetos acessíveis a todas as pessoas da equipe

Ao trabalhar em colaboração com vários times, é indispensável que todos entendam o que o projeto quer dizer e qual o papel de cada um. Assim, ao convergir as funções, há uma diminuição de erros e facilidade em reformular.

2. Planejamento eficiente

A parte elétrica, a hidráulica, os shafts e vigas, por exemplo, são executados por equipes e etapas diferentes na obra. O planejamento apropriado é vantajoso para todas as partes da construção, como a economia, tema do próximo tópico.

3. Economia de dinheiro

Parte da compatibilização de projetos é a estimativa dos custos. Se toda a preparação está em ordem, é possível ter um cálculo bem próximo do real. Além disso, a diminuição do retrabalho também reduz os custos. Uma prática que traz verdadeiros desfalques é a compra de material depois que o trabalho em campo já começou. É desperdício de mão de obra e tempo.

4. Economia de tempo

A máxima que diz que “tempo é dinheiro” também vale para as edificações. Isso porque os dois estão interligados. Refação atrasa o cronograma e exige horas extras ou contratação de mais pessoas para a equipe, por exemplo. O mesmo acontece com a parada por falta de insumos. Ainda, atrasos prolongados podem gerar processos por parte do contratante.

5. Comunicação eficiente

A comunicação é parte essencial da compatibilização de projetos e é potencializada pelo BIM. Com ela, o projeto se torna mais ágil e os problemas são resolvidos com facilidade. Assim, ela é uma ferramenta para integrar as equipes de projetistas, executores, engenheiros e arquitetos. Juntos, eles definem o melhor fluxo de troca de informações.

Saiba mais sobre o BIM e a interoperabilidade entre softwares

Para que exista a união entre as áreas, é imprescindível que o conjunto de softwares escolhidos sejam compatíveis uns com os outros. Essa é uma das características do método BIM. Além disso, o treinamento dos times para a utilização dessas ferramentas é importante para o sucesso da obra.

Apesar de intuitivo, as pessoas contratadas não começam o projeto “colocando a mão na massa”. É preciso que elas passem por etapas até chegar à integração total. Uma delas é o projeto piloto, que mostra as possibilidades e encontra a maneira mais eficiente de trabalho para o grupo. Por isso, o BIM não é considerado uma fórmula pronta, mas sim adaptável.

A reavaliação do projeto, citada no início do artigo, é necessária para qualquer trabalho com BIM. Isso porque ele exige ajuste dos processos e readequação do planejamento antes da aprovação. Então, é importante que os programas escolhidos ofereçam essa possibilidade integrada.

A compatibilização de projetos e a metodologia BIM andam lado a lado. Logo, para ter êxito na construção desde o planejamento, é preciso utilizá-los. Já que falamos bastante de BIM no artigo, é interessante falar que ele possui 8 dimensões de trabalho. Leia o artigo e saiba o que é atribuído a cada uma delas!

Deixe seu comentário